Isso é Cordel!

  • Um cordel não precisa necessariamente estar na forma de um livreto em A6! Pode estar dentro de um livro, em uma revista A5 ou em um ebook.

  • Um cordel pode estar pintado em um muro ou até mesmo ser o texto dos balões em uma história em quadrinhos.

  • Um cordel não precisa estar impresso ou registrado por escrito. Pode ser apenas declamado.

  • Um cordel pode estar apenas em um blog ou em formato de ebook, até mesmo em uma rede social.

A Cultura é Viva

/images/intro/3.thumbnail.jpg

Não cabem amarras à cultura. Ao artista cabe expressar sua criatividade e sua arte a seu modo. A cultura se transforma. Mesmo que elementos muitas vezes sigam intocados, a cultura também muda, com surgimento de modos e conceitos novos e o desuso de modos e conceitos antigos.

O Tempo dirá

/images/intro/1.thumbnail.jpg

Inúmeros artistas e estilos foram criados no decorrer da História, criticados e desdenhados na sua época, sendo reconhecidos e admirados a posteriori. Não cabe a ninguém dizer que arte tem e qual não tem valor. O julgamento virá com o público e com o tempo.

Cultura Nordestina

/images/intro/4.thumbnail.jpg

Entendemos cultura nordestina como um guarda-chuvas que abriga várias expressões artísticas, dentre elas folguedos, xilogravura, artesanato, literatura de cordel, repente, forró, baião, frevo, axé.

Literatura de Cordel

/images/intro/4.thumbnail.jpg

Toda obra de poesia popular nordestina, que tenha forte vínculo com os estilos da cantoria popular ou deles derivados, ou adaptados.

Poética do Cordel

Inicialmente, o cordel era em quadras. Mais comumente as poesias deste gênero literário são escritas em sextilhas, setilhas ou décimas. A métrica é a redondilha maior, na maioria das vezes. Reconhecemos isto, mas não limitamos as possibilidades a estes grupos, aceitando variações. Reconhecemos como válidas para literatura de cordel todas as modalidades de cantoria popular.

Temática do Cordel

Talvez seja mais conhecido o cordel que traga como temática a própria cultura nordestina, mas além de cangaço, reis, matutos, vaqueiros e engenhos, o cordel já tratou de política, religião, humor, notícias, história, disputas de violeiros e obscenidade. No cordel cabe a temática que se quiser: informação, folclore, cultura pop, opinião e introspecção, por exemplo, não estão fora do leque de possibilidades.

Apresentação do Cordel

Para ser considerado cordel, não é necessário que esteja impresso em um livreto A6. Também não definimos uma linha de corte a partir da qual se considere ou deixe de considerar cordel. A finalidade também pode interferir na estrutura ou na forma. Um cordel para ser declamado pode ser mais curto, enquanto existem cordéis longos, para narrar em forma impressa histórias de tramas mais complexas.

Antropofagia

O cordel é um vórtice que absorve o que há ao redor, porque o próprio artista incorpora sua vivência e suas preferências naquilo que escreve. O cordelista pode escrever apenas sobre vida no sertão dos anos 30, mas não está preso a isso. Assim como no cordel houve espaço para a reprodução de clássicos da literatura ou reescrita de contos de fadas, o cordel de hoje também tem espaço para incorporar tudo o que está à nossa volta. Dos videogames à mecânica quântica, dos debates sobre classe, raça e gênero à autoajuda. Basta o cordelista querer.

Experimentações

/images/intro/2.thumbnail.jpg

É direito do artista criar. Tanto no conteúdo, quanto na forma. Assim, a própria estrutura pode ser repensada. Convidamos todos a experimentar novas formas de escrever cordel e novos cordéis. Podemos usar elementos de outros gêneros literários e criar novas derivações e novos conceitos.

Subgêneros

O cordel é um gênero literário e isso não impede que tenha subgêneros. Defendemos a definição e classificação desses subgêneros. Acreditamos que a existência de subgêneros em um gênero artístico não o deprecia. Do contrário, só revela o quanto aquele gênero cresceu e se sofisticou. Essa expansão acontece tradicionalmente com gêneros musicais e defendemos sua aplicação também na Literatura de Cordel. Visualizamos o cordel clássico, escrito em sextilhas ou setilhas (na forma mais utilizada por Leandro Gomes de Barros); o cordel absurdo (conhecido por Zé Limeira); o cordel de peleja; o cordel-jornal (informativo das notícias, com ou sem opinião); o cordel infantil (escrito tendo como público-alvo crianças); e o cibercordel (cordel escrito para publicação apenas na Internet, apresentado na íntegra em blogs ou redes sociais); em uma listagem que pode crescer ainda mais e variar não apenas pela temática, mas por outras características, como por exemplo pela estética mais frequente.

Cordel Estafeta

/images/ideias-estafeta.thumbnail.jpg

Inspirado nas cyphers do Rap, com nome oriundo das corridas de revezamento (estafetas em Portugal), esta modalidade junta cordelistas em torno de um mesmo tema, cada um fazendo sua parte para uma única poesia.

Cordel Interativo

/images/ideias-interativo.thumbnail.jpg

Trazendo a técnica das aventuras-solo de RPG, o cordel interativo dá opções ao leitor, apresentando um final de história diferente dependendo das escolhas que ele tome.

Cordel Amostrado

/images/ideias-amostrado.thumbnail.jpg

Inspirado na técnica sample dos DJ, o cordel amostrado extrai elementos de alguma poesia conhecida (alguns versos marcantes, o ritmo, a estética...) e se cria um cordel inteiro utilizando estes elementos.

Soneto Cordelar

/images/ideias-soneto.thumbnail.jpg

Se o soneto tem 14 versos, por que não poderíamos construir um soneto com 2 setilhas? Bastaria alguns ajustes mais...

Apoio

Nome Papel Cidade Grupo
Cárlisson Galdino Cordelista Arapiraca-AL Laboratório da Rima
Zé de Quinô Cordelista Arapiraca-AL Laboratório da Rima
Breno Airan Cordelista Arapiraca-AL Laboratório da Rima
Girleide A. de Lima Cordelista Arapiraca-AL Laboratório da Rima
Ronaldo Oliveira Cordelista Arapiraca-AL Laboratório da Rima
Tony Pessoa Cordelista Palmeira dos Índios-AL Independente
José Medeiros de Lacerda Cordelista Santa Luzia-PB Independente
Luiz Alberto Machado Cordelista, cantautor, radialista Recife-PE Tataritaritatá
Jotacê Freitas Cordelista, professor Salvador-BA Oficina de Cordel
Paola Limeira Bordadeira Maceió-AL Demodê (Bordados de Cordel)
Rui Henrique Silva Junior Produtor de Animações Recife-PE Causos de Cordel
Márcio Fabiano Monteiro Cordelista, professor Ribeirão Preto-SP Companhia de Cordel Versos em Brasa
Arnaldo Junior Cordelista, ilustrador Ribeirão Preto-SP Companhia de Cordel Versos em Brasa
Clécio Albuquerque Cordelista, youtuber Sumaré-SP Aconteceu Que Virou Cordel
Samuel de Monteiro Cordelista, youtuber Monteiro-PB Cadeira Poética, Sarau de Boteco
Lourenço Gouveia Gravador, artista visual Recife-PE Xilogeek